Baja Portalegre encerra Mundial de Cross Country

Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin desembarcaram hoje em Lisboa, a caminho de Portalegre, capital da região do Norte Alentejano, onde a partir de sexta-feira disputam a última etapa da Copa do Mundo da FIA de Rally Cross Country. Separados por 25 pontos dos líderes do certame na categoria T2 – a dupla árabe Yahya Al Helei e Khalid Alkendi -, os brasileiros do Divino Fogão Rally Team precisam de uma combinação especial de resultados para conquistar o título: vitória verde-amarela e zero ponto para os árabes. Esse quadro deixaria as duas duplas empatadas com 146 pontos e duas vitórias cada uma; nesta circunstância o título ficaria com Varela e Gugelmin graças aos dois segundos lugares obtidos (Abu Dhabi e Qatar) durante o ano contra apenas um (Egito) de Al Helei e Alkendi.

“Trata-se de um resultado dos mais difíceis de obter e os motivos são vários”, comentou Reinaldo Varela ao desembarcar em Lisboa esta manhã. “Além da capacidade comprovada dos árabes, a prova de Portalegre é praticamente um domínio exclusivo dos portugueses, fanáticos por esta modalidade. Só na nossa categoria teremos 16 adversários, entre eles o Marcos Moraes, organizador do Rally dos Sertões”.

O histórico do Baja Portalegre, que acontece pela 26ª vez este ano, dá razão a Varela: desde 1987 ocorreram apenas duas vitórias de estrangeiros: em 2008, com Stéphane Peterhansel e Jean-Paul Cottret, e em 2010, com Krysztof Holowiczyc e Jean-Marc Fortin. O bom desempenho dos pilotos locais também é notado na repercussão da prova no país irmão: a Guarda Nacional já chegou a registrar a presença de 250 mil pessoas espalhadas ao longo das estradas de Portalegre, como na edição de 2004.

“O entusiasmo dos portugueses pelo cross country é semelhante ao que os argentinos exibem pelas provas de estrada”, conta o catarinense Gustavo Gugelmin. “Do mesmo jeito que essa alegria é contagiante para quem está competindo, ela também cobra muito cuidado dos organizadores e dos pilotos para evitar acidentes já que não é raro o público ficar concentrado em locais perigosos”.

Para melhorar as condições de segurança e garantir que a prova continue no calendário da FIA o Automóvel Clube de Portugal divulga ostensivamente as áreas mais apropriadas para acompanhar a passagem dos carros e cria facilidades de acesso para esses locais. A largada da primeira etapa do rally está marcada para as 14h30 de sexta-feira (2), sendo que o percurso desse dia é de 19,30 km, dos quais apenas 5,52 km valendo para a classificação. A prova termina no sábado, quando serão disputadas duas especiais, num percurso total de 426,54 km.

O Divino Fogão Rally Team é patrocinado pela Mitsubishi e Blindarte (blindagem de veículos com qualidade, responsabilidade e arte) e tem apoio da Itamotors (revenda Mitsubishi em Alphaville São Paulo) e Temp Clean (soluções para higienização profissional).

Deixe uma resposta

Pin It on Pinterest